?

Log in

Facing away from Ragnarok

cd translation - chão (floor) ;; mafalda veiga

Tales of Valhalla

cd translation - chão (floor) ;; mafalda veiga

Previous Entry Share Next Entry
shepard [ dead woman walking ]




ABRAÇA-ME BEM (hug me right)

PORTUGUÊS


Levantas o teu corpo
Cansado do chão
Afastas esse peso
Que te esmaga o coração
Abres uma janela
E perguntas-te quem és
Respiras mais fundo
E enfrentas o mundo de pé
Eu venho de tão longe
E procuro há mil anos por ti
Estendo a minha mão
Até te sentir
Não sabemos nada
Do que somos nós
Mas sabemos tanto
Do que muda
Por não estarmos sós

Abraça-me bem
Abraça-me bem

Levantas os teus olhos
Para me olhar assim
Procuras cá dentro
Onde me escondi
E eu tenho medo
Confesso, de dar
O mundo onde guardo
Tudo o que mais quis salvar
Tu dizes que não há
Outra forma de ficarmos perto
Não há como saber
Se o caminho é o certo
Só pode voar quem
Arriscar cair
Só se pode dar quem
Arriscar sentir

Abraça-me bem
Abraça-me bem







TRANSLATION

You raise your body,
Tired, of the floor
Put away that weight
That’s crushing your heart
You open a window
And ask yourself who you are
Breathe more deeply
And face the world standing
I come from so far
And have been searching for you for a thousand years
I hold out my hand
Until I feel you
We don’t know anything
Of what we are
But we know so much
Of what changes
By not being alone

Hug me right
Hug me right

You raise your eyes
To look at me like this
You search here inside
Where I hid myself
And I’m afraid
I confess, of giving
The world where I keep
Everything I wished to save
You say there isn’t
Another way to stay close
There’s no way to know
If the path is the right one
One can only fly
If it dares to fall
One can only give itself
If it dares to feel








ESTRADA (road)

PORTUGUÊS


Meu amor, não quero mais palavras rasgadas
Nem o tempo cheio de pedaços de nada
Não me dês sentidos para chegar ao fim
Meu amor, só quero ser feliz

Meu amor, não quero mais razões p'ra pagar
O que nasce e renasce e nos faz acordar
A loucura faz medo se for medo teu o chão
Mas é ar e a terra dentro do coração
É ar e é a terra dentro do coração

Meu amor, não quero mais silêncio escondido
Nem a dor do que cai em cada gesto ferido
Quero janelas abertas e o sol a entrar
Quero o meu mundo inteiro dentro do teu olhar
Eu quero o meu mundo inteiro dentro do teu olhar

E hoje vê a estrada é feita p'ra seguir
E hoje sente a vida feita de sentir
E hoje vira do avesso o mundo e vê melhor
Deste lado é mais puro
É teu é tão maior
Deste lado é mais puro
É meu é tão maior







TRANSLATION

My love, I don’t want more ripped words
Nor time filled with pieces of nothing
Don’t give me directions so I can arrive to the end
My love, I just want to be happy.

My love, I don’t want more reasons to pay
What’s born and reborn and makes us wake
The madness frightens if fear is your floor
But it’s air and the earth inside the heart
It’s air and the earth inside the heart

My love, I don’t want more hidden silence
Nor the pain of what falls in each wounded gesture
I want open windows and sun coming in
I want my entire world in your gaze
I want my entire world in your gaze

And today, see the road that’s made to follow
And today, feel the life made of feeling
And today, turn the world upside down and see better
On this side it’s purer
It’s yours, it’s so much larger
On this side it’s purer
It’s yours, it’s so much larger








ENTRE ACHADOS E PERDIDOS (between what's found and lost)

PORTUGUÊS


Ao longe vê-se a ponte
O céu que muda
Entre o princípio e o fim
Ao fundo vê-se um monte
De casas velhas
De cor entre ocre e carmim
Eu espero no tempo
Algum sinal teu
Enquanto a saudade aperta
Agarro-me ao mundo
Recolho o que é meu
A ver se a vida se acerta
Naquilo que prometeu

Desenho no horizonte
Uma viagem
Que faço sem me mover
E passo sobre a ponte
Para outra margem
Onde pudesse perder
O peso dos dias
A dor do caminho
Que fica agarrada à pele
Se a vida voasse
Para além do destino
Como a cabeça nos voa
Numa folha de papel

A vida passa sempre
Tão apressada
Que pouco podes conter
Os dias são ausentes
Sabem a nada
Se te esqueceres de viver
Agarra o teu mundo
Acende os lugares
Onde se escondem os teus sentidos
E não tenhas medo
Se às vezes falhares
O que importa é o caminho
Que fica
Entre achados e perdidos







TRANSLATION

Far away we see the bridge
The sky that changes
Between the beginning and the end
Far away we see a pile
Of old houses
Colored between ocre* and carmin*
I wait in time
For some signal from you
While the saudade** tightens
I hold onto the world
Hold onto what’s mine
Trying to see if life got right
That which it promised me

I draw in the horizon
A journey
That I make without moving
And I pass through the bridge
To the other side
Where I could lose
The weight of the days
The pain of the path
That which stays glued to the skin.
If life flew
Beyond destiny
Like our head flies
In a piece of paper

Life always passes
So rushed
That little you can contain
The days are absent
Taste like nothing
If you forget to live.
Hold onto your world
Light up the places
Where your senses hide
And don’t be afraid
If you fail sometimes
What matters is the path that stays
Between what’s found and lost


(*) words for different kinds of red
(**) feeling of missing someone








OUTRA MARGEM DE MIM (another side of me)

PORTUGUÊS


É muito tempo a desejar o tempo
De mudar ventos, levantar marés
É muita vida a desejar o alento
Que faz saber ao certo quem és

É funda a toca onde te escondes tanto
Tem a distância entre o silêncio e a voz
A vida rasga bocadinhos gastos do mundo
Vai descascando até chegar a nós

E tu que sabes tanto de mim
Tu que sentes quem eu sou
Dá-me o teu corpo como ponte que me salve
Do que o medo fechou

São muitos dias a perder em vão
Sem nunca entrar dentro de um labirinto
É muita vida a não ser o que tu sentes
A planar sobre o que eu sinto

É quase noite, não te escondas mais
Vai desatando até entrar o ar
Dá-me um gesto que me diga o teu fundo
Uma palavra para te tocar

Tu que sabes tanto de mim
Tu que sentes quem eu sou
Dá-me o teu corpo como ponte que me salve
Do que o medo fechou

Tu que sabes tanto do sol
És uma espécie de outra margem de mim
Olha-me dentro como chão que me agarre

Pode ser esta noite quente
A estrada aberta mesmo à nossa frente
E tu e eu a descobrir o ar
Não é preciso correr
Não é urgente chegar
O que é preciso é viver







TRANSLATION

It’s too much time wishing the time
Of changing winds, raising tides
It’s too much life wishing the need
That teaches me who you are properly

It’s deep the hole you hide in so much
It has the distance between silence and voice
Life tears little spent pieces of the world
It goes ripping it apart until it reaches us

And you who know so much of me
You who feel who I am
Give me your body as a bridge to save me
From what fear has closed

It’s too many days lost in vain
Without entering inside a labyrinth
It’s too much life without being what you feel
Floating over what I feel

It’s almost night, don’t hide anymore
Unwind yourself until air enters
Give me a gesture that tells me your foundation
A word to touch you

And you who know so much of me
You who feel who I am
Give me your body as a bridge to save me
From what fear has closed

You who know so much of the sun
You are a kind of another side of me
Look inside of me as a floor to hold on

It can be this warm night
The open road right in front of us
And you and I discovering the air
Running isn’t needed
Arriving isn’t urgent
What we need is to live








BALANÇAR (to swing)

PORTUGUÊS


Pedes-me um tempo
Para balanço de vida
Mas eu sou de letras
Não me sei dividir
Para mim um balanço
É mesmo balançar
Balançar até dar balanço
E sair..

Pedes-me um sonho
Para fazer de chão
Mas eu desses não tenho
Só dos de voar
E agarras a minha mão
Com a tua mão
E prendes-me a dizer
Que me estás a salvar
De quê?
De viver o perigo
De quê?
De rasgar o peito
Com o quê?
De morrer
Mas de que, paixão?
De que?
Se o que mata mais é não ver
O que a noite esconde
E não ter nem sentir
O vento ardente
A soprar o coração..

Pensa em mim
Dentro das mãos fechadas
O que cabe é pouco
Mas é tudo o que temos
Esqueces que às vezes
Quando falha o chão
O salto é sem rede
E tens de abrir as mãos

Pedes-me um sonho
Para juntar os pedaços
Mas nem tudo o que parte
Se volta a colar
E agarras a minha mão
Com a tua mão e prendes-me
E dizes-me para te salvar
De quê?
De viver o perigo
De quê?
De rasgar o peito
Com o quê?
De morrer
Mas de que paixão?
De que?
Se o que mata mais é não ver
O que a noite esconde
E não ter nem sentir
O vento ardente
A soprar o coração







TRANSLATION

You ask me some time
To make a balance of life
But I studied just letters
I can’t divide myself
And, for me, balance
It’s truly to swing
Swing until you can balance
And leave..

You ask me a dream
To serve as floor
But, of those, I don’t have
Only the ones that fly
And you hold my hand
With your hand
And jail me saying
You’re saving me
Of what?
Of living the danger
Of what?
Of ripping the chest
With what?
Of dying
But with what..passion?
Of what?
If what kills more is not seeing
What night hides
And not have nor feel
The burning wind
Blowing your heart away

Think in me
Inside the closed hands
What fits is little
But it’s all we have
You forget that sometimes
When the floor slips
The jump doesn’t have a net
And you have to open your hands

You ask me a dream
To gather the pieces
But not all that breaks
Can be glued again
And you hold my hand
With your hand and jail me
And tell me to save you
Of what?
Of living the danger
Of what?
Of ripping the chest
With what?
Of dying
But with what..passion?
Of what?
If what kills more is not seeing
What night hides
And not have nor feel
The burning wind
Blowing your heart away








ANTES DA ESCURIDÃO (before the darkness)

PORTUGUÊS


São tantas batalhas, é tão funda a dor
São tantas imagens de abandono e desamores
Há gente caída no chão
Sem ninguém que os abrace, sem ninguém que os levasse
Antes da escuridão

Então desenho o teu corpo em mim
A forma da tua mão em mim
Pudesse ser essa a forma do mundo inteiro
Acordo só para te ver dormir, assim, em paz

São tantos os medos calados por dentro
Estilhaços de guerra sem luar nem vento
Cravados tão fundo no peito
Sem ninguém que os arranque, sem ninguém que estanque
O mal que foi feito

São tantos olhares de espanto vazios
E é tanto escuro e faz tanto frio
Há gente caída no chão
Sem ninguém que os abrace, sem ninguém que os
levasse
Antes da escuridão

Então desenho o teu corpo em mim
A forma da tua mão em mim
Pudesse ser essa a forma do mundo inteiro
Acordo só para te ver dormir, assim, em paz

Então desenho o teu corpo em mim
A forma da tua mão em mim
Assim, em paz!







TRANSLATION

The battles are so many, the pain is so deep
The images of abandon and lack of love are so many
There are fallen people on the floor
Without someone who would hug them, without someone who would take them
Before the darkness

So, I draw your body in mine
The shape of your hand in me
If that could be the shape of the entire world
I wake just to see you sleep, like this, in peace.

The fears silenced inside are so many
Shards of war without moonlight or wind
Dug so deeply in the chest
Without someone who’d rip them out, without someone who stops
The evil that was done

The empty gazes of surprise are so many
And it’s so dark and so cold
There are fallen people on the floor
Without someone who would hug them, without someone who would take them
Before the darkness

So, I draw your body in mine
The shape of your hand in me
If that could be the shape of the entire world
I wake just to see you sleep, like this, in peace.

So, I draw your body in mine
The shape of your hand in me
Like this, in peace.








PRESSINTO (I feel)

PORTUGUÊS


Eu moro ao lado
Da tua casa
Dos lugares que são teus
Da tua rua

Eu moro perto
Das tuas histórias
Das montanhas e desertos
Que te deixam a alma rasa e nua

Eu adivinho no teu semblante
A cor que têm as noites
Que te inundam

É que eu pressinto
Que vens de tão longe
Que é teu o lugar
Onde as estrelas, no fim,
Se afundam

Eu guardo o tempo
Que deixas assim
Esquecido
nas minhas mãos vazias
Se abraçasses a noite
Saberias de mim

No teu olhar
Eu adivinho
A luz que esconde o cansaço
No avesso do luar

Eu moro dentro
Do teu caminho
Dentro onde o sangue rebenta
Com a mesma força do mar

Eu sei as marcas na tua pele
Da vida inteira
Que tu não sabes

É que eu pressinto
Que vens de tão longe
Que é teu o lugar para onde
A maré vaza leva a saudade

Eu guardo o tempo
Que deixas assim
Esquecido
nas minhas mãos vazias
Se abraçasses a noite
Saberias de mim







TRANSLATION

I live by the side
Of your home
Of the places that are yours
Of your street

I live close
To your stories
Of the mountains and deserts
That leave your soul clean and nude

I guess in your expression
What colors the nights
Which flood you hold

It’s just that I feel
That you come from so far away
That yours is the place
Where the stars, in the end
Drown

I save the time
That you leave like this
Forgotten
In my empty hands
And if you hugged the night
You would know of me

In your gaze
I guess
The light that hides the tiredness
In the other side of moonlight

I love inside
Of your path
Inside where the blood bursts
With the same strength of the sea

I know the marks on your skin
Of your whole life
That you don’t know about

It’s just that I feel
That you come from so far away
That yours is the place to where
The low tide takes saudade

I save the time
That you leave like this
Forgotten
In my empty hands
And if you hugged the night
You would know of me









AO TEU REDOR (Around you)

PORTUGUÊS


Enquanto esta cidade adormece
Recolhe a casa e por momentos esquece
As cores de guerra de quem se pintam os olhares

Enquanto tu te abraças ao teu mundo
Com o coração quente e vagabundo
Aceso pelo brilho dos luares

A noite traz
No sabor fugidio do escuro
Um abraço de quem ainda sentes o calor
E devagar
Vais-te deixando, no vazio,
Planar até sentir que tudo acalma
Ao teu redor

Enquanto nestas ruas anoitece
E a vida intensa e louca te acontece
A dar-te tudo o que jamais te prometeu

Agora que já deste a volta no mundo
Já sabes, não há mais longe nem mais fundo
Do que por dentro onde guardaste o que foi teu

A noite traz
No sabor fugido do escuro
Um abraço de quem ainda sentes o calor
E devagar
Vais-te deixando, no vazio,
Planar até sentir que tudo acalma
Ao teu redor






TRANSLATION

While this city falls asleep
Turns back home and, for a moment, it forgets
The colors of war that paint the gazes

While you hug yourself on your world
With a warm vagabond heart
Lightened by the shine of moonlight

The night brings
In the fleeting taste of darkness
A hug from which you can still feel the warmth
And slowly
You let yourself, in the emptiness
Float until you feel everything rests
Around you

While in these streets, the night falls
And the crazy intense life happens to you
Giving you everything it ever promised

Now that you have crossed the world around
You know now, there’s nothing deeper or farther
That that place inside where you kept what’s yours

The night brings
In the fleeting taste of darkness
A hug from which you can still feel the warmth
And slowly
You let yourself, in the emptiness
Float until you feel everything rests
Around you








FAZ PARTE (It's part)

PORTUGUÊS


Trazes a vida nos braços
Pousas o mundo no chão
Largas os medos na entrada
E desmontas cada peça
De que é feito o coração

Deixas lá fora o cansaço
Desarmas a solidão
Brindas sonhos ao relento
Como quem junta os pedaços
Entre a loucura e a razão

Faz parte ser um pouco perdido
Faz parte começar outra vez
Faz parte ir atrás dos sentidos
E voar a sentir o mundo na ponta dos pés

Guardas a vida nos braços
Pousas os dias no chão
Brinda sonhos ao relento
Como quem junta os pedaços
De que é feito o coração

Trazes o tempo desfeito
No que procuras em ti
Se olhares no fundo do peito
Saberás quem és
Mesmo até ao fim

Faz parte ser um pouco perdido
Faz parte começar outra vez
Faz parte ir atrás dos sentidos
E voar a sentir o mundo na ponta dos pés






TRANSLATION

You bring your life in your arms
Set the world on the floor
Leave your fears on the entry
And separate each part
The heart is made of

You leave the tiredness outside
Disarm loneliness
Toast dreams outside
Like someone who collects pieces
Between madness and reason

It’s part to be a little lost
It’s part to start again
It’s part to go after your senses
And fly, feeling the world on the tip of your toes

You keep your life in your arms
Set the days on the floor.
Toast dreams outside
Like someone who collects pieces
The heart is made of

You bring time in pieces
In what you search in you
If you look inside your chest
You’ll know who you are
Right until the end

It’s part to be a little lost
It’s part to start again
It’s part to go after your senses
And fly, feeling the world on the tip of your toes








OS DIAS (The days)

PORTUGUÊS


No meu quarto há uma janela
Sobre um pedaço do mundo
Na rua estreita
Os prédios seguram o céu

As caras de sempre
Têm dias sorridente e outros sisudos
Porque de alegria e de tristeza
Cada um tem um pedaço que é o seu

No meu quarto, pela janela,
O sol entra em geometria
Faz desenhos no chão
Pinta-me luas na pele

Rasga sombras teimosas, escondidas,
A reclamar poesia
E voa das mãos para a rua aviões de papel

Há dias que sopram
Os dias que vão
Levantam asas
Ou ficam em pedaços pelo chão
Há dias perdidos
E outros sem fim
A colar cada pedaço
Do mundo que as partiu dentro de mim

Nesta rua estreita
Os prédios escondem o resto de escuro
Os caminhos da noite, mais longe,
No resto do céu

Há em cada olhar
A vaga certeza do mesmo rio ao fundo
Mas por dentro do peito
Cada um traz um horizonte que é o seu

Há dias que sopram
Os dias que vão,
Levantam asas
Ou ficam em pedaços pelo chão
Há dias perdidos
E outros sem fim
A colar cada pedaço
Do mundo que se partiu dentro de mim






TRANSLATION

In my room, there’s a window
Over a piece of the world
In the narrow street
The buildings hold heaven up

The faces of always
Have smiling days, others of frowns
Because, of joy and sadness
Everyone has a piece that’s its alone

In my room, through the window
The sun enters in geometry
Makes drawings on the floor
Paints moons on my skin
Tears stubborn shadows, hidden
Begging for poetry
And flies paper planes from the hands to the street

There are days that blow
The days that go
Hold their wings high
Or stay in pieces on the floor
There are lost days
And some without end
Gluing each piece
Of the world that broke them inside me

In this narrow street
The buildings hide the rest in dark
The paths of the night, farther
In the rest of the sky

In each look there is
The vague certainty of the same river far away
But, inside the chest
Each one brings an horizon that’s its alone
There are days that blow
The days that go
Hold their wings high
Or stay in pieces on the floor
There are lost days
And some without end
Gluing each piece
Of the world that broke itself inside of me








IMORTAIS (Immortals)

PORTUGUÊS


Por mais que a vida nos agarre assim
Nos troque planos sem sequer pedir
Sem perguntar a que é que tem direito
Sem lhe importar o que nos faz sentir

Eu sei que ainda somos imortais
Se nos olhamos tão fundo de frente
Se o meu caminho for para onde vais
A encher de luz os meus lugares ausentes

É que eu quero-te tanto
Não saberia não te ter
É que eu quero-te tanto
É sempre mais do que eu te sei dizer
Mil vezes mais do que eu te sei dizer

Por mais que a vida nos agarre assim
Nos dê em troca do que nos roubou
Às vezes fogo e mar, loucura e chão
Ás vezes só a cinza do que sobrou

Eu sei que ainda somos muito mais
Se nos olhamos tão fundo de frente
Se a minha vida for por onde vais
A encher de luz os meus lugares ausentes

É que eu quero-te tanto
Não saberia não te ter
É que eu quero-te tanto
É sempre mais do que eu sei te dizer
Mil vezes mais do que eu te sei dizer









TRANSLATION

Even though life holds us like this
Changes plans without requesting
Without asking what is its to take
Without caring how we feel

I know we’re still immortal
If we look straight at each other, so deeply
If my path goes where you’re going
Lighting every missing place of mine

It’s just that, I want you so much
I wouldn’t know not to have you
It’s just that, I want you so much
Always more than I can say to you
A thousand times more than I can say

Even though life holds us like this
Give us in exchange for what it stole
Sometimes, fire and sea, madness and floor
Sometimes, just the ash of what’s left

I know we’re still much more
If we look straight at each other, so deeply
If my life goes where you’re going
Lighting every missing place of mine

It’s just that, I want you so much
I wouldn’t know not to have you
It’s just that, I want you so much
Always more than I can say to you
A thousand times more than I can say








ERA UMA VEZ UM PENSAMENTO TEU (Once upon a time, there was a thought of yours)

PORTUGUÊS


Era vez um pensamento teu
Quase podia ser segredo meu e teu
Era quem sabe um tempo de inventar
Subir o teu corpo
Cair do teu sonho
E ficar em nós

Era uma vez um medo que voou
Que se fez asa, sopro, ar
Nunca mais voltou
E eu sem saber porquê fui atrás
E ainda o vi
Esconder-se de ti
Era talvez um tempo de te amar
Era talvez um tempo de sentir

Era uma vez um pensamento meu
Quase podia ser segredo teu e meu
Era quem sabe um tempo de inventar
Subires o meu corpo
Caíres do meu sonho
E ficares em nós

Era uma vez um sonho que não sei
Que se fez asa, sopro, ar
Quase lhe toquei
E a pressentir porquê fui atrás
E ainda o vi
A esconder-se em mim
Era talvez um tempo pra te dar
Era talvez um tempo de te amar

O tempo que não foi tempo não passou
O sonho que se fez pele e se guardou
aqui ficou
Como se fosse sopro, asa, ar, escondeu-se em nós
E no teu olhar
Fica pra sempre um tempo de te amar
Fica pra sempre tanto do que sou







TRANSLATION

Once upon a time, there was a thought of yours
It could almost be a secret, mine and yours
It was, who knows, a time to invent
Climb your body
Fall of your dream
And stay in us

Once upon a time, there was a fear that flew
That made itself wing, blow, air
And never came back
And I, without knowing why, followed
And I still saw it
Hiding itself from you
Maybe it was a time to love you
Maybe it was a time to feel

Once upon a time, there was a thought of mine
It could almost be a secret, yours and mine
It was, who knows, a time to invent
Climb my body
Fall of my dream
And stay in us

Once upon a time, there was an unknown dream
That made itself wing, blow, air
I almost touched it
And, feeling why, I followed
And I still saw it
Hiding itself in me
Maybe it was a time to give you
Maybe it was a time to love you

The time that wasn’t time didn’t pass
The dream that made itself skin and was kept
Stayed here
Like it was blow, wing, air, hid itself in us
And in your gaze
There’s always a time to love you
There’s always so much of what I am

Powered by LiveJournal.com